Eleições 2020 em São Paulo: as vozes no mundo digital

É comum a realização periódica de pesquisas em época de eleições, especialmente em cidades de médio e grande porte. Geralmente, as pesquisas abordam uma certa quantidade de eleitores de maneira aleatória, nas diversas regiões do país, e pergunta diretamente ao entrevistado em quem ele votará.

Existe, no entanto, uma imensidão de manifestações na Internet, especialmente nas redes sociais, por meio das quais as pessoas expressam suas opiniões e preferências eleitorais, seja escrevendo um post, ou curtindo, comentando e compartilhando posts alheios. São maneiras distintas - e muito atuais - de expressão de opinião para além das tradicionais pesquisas eleitorais.

As eleições em São Paulo

Uma análise da inteligência artificial Daoura entre os dias 19/10/2020 e 12/11/2020 em mais de 7 milhões de interações em redes sociais, mostra as manifestações das pessoas sobre sete candidatos à prefeitura de São Paulo sob duas perspectivas: sentimento dos textos publicados e engajamento gerado pelos candidatos na Internet.

Em relação à análise de sentimento dos textos, que os categoriza em sentimentos negativos, neutros ou positivos, em uma escala de 0 a 100, observou-se no período que o candidato com a maior média diária foi Jilmar Tatto (47,06 - Neutro), seguido de Arthur do Val (46,08 - Neutro) e Márcio França (46,02). A candidata com a pior média diária registrada no período para o índice de sentimento digital foi Joice Hasselmann (39,8 - Negativo).

No entanto, quando se analisa o termômetro diário por candidato, é possível observar que os últimos dias foram de reviravoltas. O candidato Celso Russomanno registrou queda acentuada nos três últimos dias do período, o que demonstra que as manifestações que mencionam seu nome foram cada vez mais negativas, enquanto Joice Hasselmann saiu de 35 pontos no dia 09/11 para 43.69 no dia 12/11, tornando seu indicador de sentimento mais positivo.

Já em relação ao engajamento digital, os dados não deixam dúvidas: o candidato Guilherme Boulos é o que mais gera engajamento digital, tanto em suas publicações próprias quanto nas publicações que mencionam seu nome ou sua página oficial. O engajamento digital de publicações para seu usuário oficial no Twitter foi quase 5 vezes maior que o do segundo candidato posicionado neste indicador, Arthur do Val. Dentre os analisados, o candidato cujo perfil oficial menos gerou engajamento na Internet foi Márcio França.

O quê esses dados podem revelar?

Medir o pulso social a partir das manifestações digitais nos revela algo que as pesquisas tradicionais não captam: candidatos que geram mais engajamento na Internet, como Guilherme Boulos e Arthur do Val, tem o potencial de alcançar e influenciar mais pessoas na definição de seus votos.

Por outro lado, analisar o sentimento dessas mensagens e classificá-los em negativo, positivo e neutro é importante para entender se esse engajamento gera uma boa ou má percepção em relação ao candidato.

Nesta análise, por exemplo, os dois candidatos com maior engajamento não foram necessariamente os que registram os maiores níveis de sentimento médio. Aliás, ter alto engajamento com índice de sentimento médio baixo pode ser um problema para o candidato, que vai ver muitas interações negativas associadas ao seu nome, como é o caso de Celso Russomanno, terceiro no ranking de engajamento, mas com índice de sentimento médio em queda.

A análise digital pode mostrar, ainda, tendências de influências sociais nos votos, não somente de quem interage nas redes, mas também das demais pessoas influenciadas por aquelas que se manifestam digitalmente; a análise também pode apoiar os candidatos na definição de direção de suas campanhas, e os eleitores na definição de seus votos.