Como Daoura previu o resultado do plebiscito no Chile

Há pouco mais de um ano, quando se deram os primeiros eventos sociais que levaram o Chile a votar no último domingo, 25/10/2020, por uma nova constituição, a plataforma Daoura começou a monitorar as manifestações públicas na Internet sobre o tema.

Foram muitos os insights extraídos de uma enorme quantidade de informação analisada (aproximadamente 5 milhões de interações) para que a inteligência artificial pudesse detectar um padrão e sugerir que a opção “aprovo” (a favor da nova constituição) ganharia.

De acordo com a previsão de Daoura na segunda-feira anterior ao dia do plebiscito, a opção “aprovo” ganharia com aproximadamente 75% dos votos contra 25% da opção “rejeito”. Após a finalização da contagem dos votos, veio a confirmação: 78,27% dos chilenos votaram pela aprovação, contra 21,73% pela rejeição, um resultado apenas 3 pontos percentuais de diferença entre a realidade e a projeção da inteligência artificial.

Além disso, em uma análise em 18 das principais comunas no Chile (divisão administrativa no Chile, que corresponde a município em outros países, como o Brasil), também foram identificadas tendências para quais delas mais se inclinaria pela aprovação e quais pela rejeição a uma nova constituição para o país. 15 destas 18 comunas apresentaram resultados na mesma direção que Daoura já vinham antecipando há meses.

Projeção de interações para “aprovo” ou “rejeito” nova constituição a nivel nacional e por cada uma das 18 comunas presentes no estudo.

Como foi possível realizar essa projeção?

Com o advento da Internet, o aumento da acessibilidade e inclusão digital e, mais recente, por conta da pandemia, o número de manifestações das pessoas em canais digitais (redes sociais, notícias, blogs) sobre problemas sociais e urbanos teve um boom gigantesco no mundo todo.

A Daoura, que há três anos coleta estes dados públicos, interpreta-os, categoriza-os e gera insights a partir de cada uma das manifestações, monitorou, desde o momento em que se deram as discussões sobre a nova constituição no país, os termos mais utilizados pelos chilenos para expressar sua opinião sobre o tema (entre eles “plebiscito”, “yoapruebo”, “yorechazo”, “convención constitucional” y “convención mixta”) e pode identificar como cada um desses termos era utilizado na linha do tempo, suas correlações com indicadores sócio economicos – como índice de probreza comunal, receitas por comuna e participação eleitoral –, e também termos relacionados a cada um dos movimentos de apoio ou rejeição à nova constituição.

Todas essas análises permitiram à Daoura criar cenários e projetar o quanto e onde se falava sobre o plebiscito, e para qual lado se inclinava cada uma destas manifestações, fato que foi confirmado nas urnas, e mostra a relevância e importância de se entender as manifestações digitais para antecipar resultados como este e tomar decisões em qualquer âmbito.

Comparação do resultado projetado pela plataforma Daoura e os resultados oficiais divulgados pelo Servicio Electoral (Servel).

Como os dados eram validados?

Antecipar resultados como esse, de importância inquestionável para o futuro de uma nação, exige muita análise e responsabilidade. Desde outubro do ano passado, publicamos em nosso Daoura Blog, em redes sociais e também na imprensa chilena, parciais de como estava a nossa medição para esses indicadores, e fazíamos todas as considerações possíveis, para que os resultados fossem validados, questionados e considerados ao longo do ano.

Mais recentemente, com o início das campanhas por ambos os movimentos, nossa relação com a imprensa nacional e também regional se intensificou. Abrimos os números das 18 comunas mais importantes do país, fomos entrevistados por importantes jornalistas nacionais, que questionavam como os números eram gerados e validados pela plataforma, e suas premissas e limitações.

Umas das perguntas recorrentes era se nossos indicadores tinham a mesma validade que pesquisas eleitorais. Como Daoura interpreta textos da internet e gera insights a partir dessas interpretações, lembramos aos interlocutores que não se podia comparar nossos números com pesquisas eleitorais, principalmente porque não fazíamos pergunta diretas à população, mas sim escutamos aqueles que se manifestavam digitalmente sobre o tema, dado que não pode ser ignorado, uma vez que nos dias de hoje muitos se informam e são influenciados pelas informações que encontram online. Também não podiamos garantir representatividade, dado que muitos eleitores não se manifestam digitalmente ou não tem nem mesmo acesso aos canais digitais que monitoramos.

Uma das reportagens publicadas na imprensa chilena sobre os resultados projetados pela plataforma Daoura na semana anterior ao plebiscito.

E para que serviram esses insights?

O fato de nossa projeção ter chegado muito próximo do resultado real fortalece a importância e relevância da Internet como plataforma de manifestação de opiniões e percepções das pessoas sobre estes temas.

Os insights publicados serviram, principalmente, para entendimento das pessoas sobre o rumo que se tomavam as discussões sobre a nova constituição na Internet e também para que as campanhas pudessem estabelecer suas estratégias de comunicação, a partir da inclinação para um lado ou outro.

Mais ainda, a partir de uma perspectiva ampla, a plataforma Daoura, a partir desse grande case que foi o plebiscito chileno, mostra seu forte potencial em ser aliada de empresas e governos para uma gestão mais eficiente e inteligente das demandas das pessoas publicadas na Internet.

Para os cidadãos, a plataforma contribui para a qualificação e promoção do debate sobre problemas sociais e urbanos, e aumento na participação das pessoas na identificação e solução dos problemas das cidades no Chile e no mundo.

Plataforma Daoura Citizens, aberta e gratuita para cidadãos de cidades no Chile e Brasil.